Quando trocar os amortecedores

by admin on 31 de julho de 2010


Será que você sabe quando os amortecedores do seu carro estão precisando ser trocados? Quando você faz a curva e o carro, sem estabilidade, canta pneu, passar em qualquer desnível na pista é um transtorno, afinal o automóvel treme todo.

Ao perceber esses problemas você resolve ir ao mecânico, ele então lhe diz que o amortecedor precisa ser trocado imediatamente.

E você o que faz, compra o equipamento mais barato do mercado. Uma peça recondicionada. Um absurdo?! Não, nem tanto. Quando o equipamento tem uma vida útil e foi apenas lavado e pintado é lógico que não vai ter a durabilidade de um novo, mas, ao menos, não coloca em risco a vida dos passageiros.

Isso é claro se a pessoa estiver ciente de que está comprando um equipamento usado e que vai precisar ser trocado rapidamente. Esses produtos lhe ajudam em um momento no qual você não esta podendo dispor de um valor mais alto, mas tem consciência de que esse produto deverá ser trocado antes do que se colocasse um produto novo, pois os amortecedores recondicionados são como uma solução temporária, não algo para ficar muito tempo em seu carro.

Veja contudo que, os fabricantes e mecânicos, condenam as peças que sofreram algum tipo de alteração, afinal veja que os componentes dos amortecedores não são encontrados no mercado de reposição, por isso as pessoas sem muito boas intenções adaptam peças de um fabricante em outro, veja então que os componentes de um amortecedor são feitos baseados em cálculos muito precisos e qualquer pequena variação pode pôr em risco a segurança de passageiros e motoristas.

Um exemplo disso é o perigo de se mexer no fluido, pois esse é um produto exclusivo do fabricante e não pode ser trocado, esse é um dos atos mais condenáveis pelos fabricantes, mas o que acontece é que, o que muita gente faz é um furo no amortecedor e injeta óleo hidráulico, esse óleo é geralmente usado nas caixas de câmbio e de direção, com isso o carro fica com uma falsa estabilidade, afinal com essa atitude o óleo perde a viscosidade, alterando assim a faixa de tolerância do amortecedor.

Uma solução que pode existir para esse problema, é por exemplo, uma nova modalidade de amortecedores, e que os fabricantes prometem ser uma saída barata e de qualidade, essa empresa fica em Brasília, esses são os amortecedores remanufaturados, que é fabricado pela Recopeças.

Vander Luís Sousa, dono da fábrica, conta que todos os componentes são feitos por ele, e o óleo também é trocado por um fluido próprio para amortecedores.

Segundo Vander ‘‘O equipamento é totalmente seguro, damos seis meses de garantia, e a grande vantagem é que custa até 80% menos’’, assegura o empresário. Segundo Vander, existem duas fábricas em São Paulo que trabalham com essa modalidade.
Além da vantagem do preço mais em conta, o consumidor precisa ficar atento para os recondicionados. Pois um equipamento em más condições expõe o motorista a incômodos, como a vibração e ruídos na suspensão, além do desgaste de outros componentes, principalmente suspensão e pneus.

Mas o que é mais importante, de acordo com alguns mecânicos, o grande perigo de ter um equipamento em estado precário está na perda de estabilidade em curvas e no balanço excessivo após freadas e arrancadas. ‘‘Amortecedores ruins não dão uma boa aderência aos pneus e o motorista fica, então, com uma resposta lenta de freio. O que é arriscado, pois o carro pode desgovernar em poças d’água e buracos’’, explica Nilton, da Monroe.

Falando de uma maneira simples e de fácil entendimento, o amortecedor é composto por cilindro, fluido viscoso, reservatório, piston e conjunto de válvulas. Sua função é reduzir a trepidação e o número de oscilações das molas, que é responsável pela sustentação do peso do carro. Em funcionamento, ocorre o movimento do piston ao pressionar o fluido pela válvula, tornando eficaz todo o trabalho de suspensão do automóvel.

O que precisamos observar é que é justamente a resistência exercida pelo fluido sobre o piston, em movimentos ascedentes e descedentes, a responsável pela estabilidade do carro, ao entrar num obstáculo, as oscilações das molas são transmitidas ao amortecedor que sofre um processo de compressão, depois de passado o obstáculo, a mola volta à sua posição inicial. Logo, o amortecedor atua em expansão, impedindo que esse processo se dê de uma forma muito brusca.

No entanto, é importante notar que o desgaste do equipamento não acontece de uma hora para outra. É um defeito progressivo. O motorista absorve e vai assimilando pequenas alterações.

Mas isso não é o pior, o maior problema é que a perda da eficiência começa a sobrecarregar outras peças, com isso pode provocar, por exemplo, o desalinhamento dos pneus, gastar pastilhas e disco de freio, desgastar rolamentos, pivô e terminais de direção, veja só o prejuízo que você pode ter.

Veja essa informação a título de curiosidade, a cada quilômetro rodado, os amortecedores abrem em fecham uma média de 2.625 vezes, isso independente do terreno, fazendo os cálculos, durante sua vida útil o equipamento abre e fecha aproximadamente 79 milhões de vezes.

Por todos esses fatores o recomendado é que se troque o amortecedor, em média, a cada 35 mil quilômetros. É claro que as condições do terreno em que o carro roda e a manutenção do veículo serão primordiais para se determinar a data da troca, pois modelos que só andam em asfaltos lisos podem render até 50 mil quilômetros. Os mecânicos indicam um teste para saber se os amortecedores estão em bom estado: apoiar as mãos sobre os extremos do carro, traseira e capô, forçar para baixo e depois soltar, caso o automóvel balance apenas uma vez e meia o equipamento ainda está em boas condições, mais que isso é hora de trocar.

Então fique atento, pois a troca do amortecedor de seu veiculo, não influi somente no seu conforto, mas sim na sua segurança e de sua família!!!

{ 3 comments… read them below or add one }

leandro 19 de maio de 2011 às 21:52

- Parabéns pela informação, pois eu estava com duvidas sobre isto, já estou providênciando a troca dos amortecedores do meu uno, pois já faz tempo que estou estranhando o seu comportamento quando passo em algum buraco e dia de chuvas, valeu!

admin 2 de junho de 2011 às 2:06

Boa noite leandro, isso mesmo, pois infelizmente é um gasto necessário, pois põe em risco até mesmo sua segurança!

Adalberto Gomes Silva 20 de junho de 2011 às 23:51

Parabéns ! Ótimas respostas, show de bola.

Deixe um comentário

Previous post:

Next post: